Como planejar viagens nacionais e internacionais?

Como planejar viagens nacionais e internacionais?

Tempo de leitura:3 minutos

1. Introdução

Fazer uma ou mais viagens, para dentro ou fora do Brasil, é o objetivo de vida de muitas pessoas, que desejam conhecer os mais diversos lugares ao longo da vida, sozinhos ou acompanhando de amigos e familiares. Contudo, planejar uma viagem para que o objetivo seja alcançado, da escolha do destino até a hora de arrumar as malas, é uma tarefa complexa, com várias etapas que devem ser feitas com o maior cuidado possível.

Por isso, pensando justamente em você que tem uma viagem no topo da sua lista de prioridades, é que preparamos esse e-book, que funciona como um guia com tudo o que você precisa saber para partir rumo ao seu destino com segurança, tranquilidade, levando na bagagem tudo o que é necessário para aproveitar o período longe de casa da melhor forma possível.

2. Por que é importante se programar para viagens?

Há quem goste de planejar viagens. Ou ainda tenha adquirido uma larga experiência ao longo da vida após sucessivos erros e acertos na hora de pôr o pé em outra cidade, estado ou país.

E há também quem deteste essa missão ou mesmo não saiba nem por onde começar a lista de tarefas necessárias para que tudo seja um sucesso. De toda forma, por mais que tudo isso possa parecer um desafio, é fundamental dedicar-se para programar todos os passos da viagem.

Além de evitar surpresas desagradáveis e apertos longe de casa, organizar uma viagem com a maior antecedência possível traz uma série de benefícios adicionais, que certamente recompensam o viajante mais precavido.

O primeiro, e talvez principal deles, diz respeito à economia: com todo o planejamento feito com um intervalo considerável de tempo, é possível pagar menos em uma série de itens essenciais para a viagem, indo de passagens aéreas e hospedagens. Vale lembrar que o preço desses serviços costuma variar de acordo com uma série de fatores, o que inclui o prazo até a viagem.

No mais, não é raro que o preço das companhias aéreas e dos hotéis em viagens para o exterior seja praticado em moeda estrangeira (geralmente o dólar). Com isso, um maior tempo para o planejamento permite que você acompanhe a oscilação das cotações, fugindo de momentos de valorização excessiva, o que pode encarecer ou mesmo inviabilizar a viagem.

Outra vantagem do planejamento da viagem é poder contar com uma maior disponibilidade de destinos e atrações, principalmente naqueles locais onde o volume do fluxo de turistas é sazonal e varia de acordo com o período do ano. Pode ser mais caro e difícil encontrar acomodações para passar as férias numa cidade litorânea durante o verão, por exemplo.

Em muitos casos, alguns destinos acumulam reservas suficientes para preencher toda a sua disponibilidade para receber turistas meses antes da viagem, o que faz com quem deixa para a última hora tenha menos opções ou precise gastar mais.


3. Como organizar viagens nacionais e internacionais?

Como você viu no capítulo anterior, não é bom negócio arrumar as malas sem um planejamento prévio. Por isso, vamos auxiliá-lo a como fazer essa organização de forma eficiente, por meio de alguns passos indispensáveis.

Vale destacar que algumas das etapas dizem respeito apenas a viagens internacionais, enquanto outros englobam tanto quem quer viajar para o exterior ou somente dentro do território nacional.

Determine um orçamento para a viagem

Quase todas as suas escolhas em relação à viagem passaram pelo quanto você quer (e pode gastar) com todas as despesas relativas a ela, que vão desde passagens e hospedagem até custos com alimentação e da eventual documentação necessária. Logo, determinar um orçamento costuma ser um dos primeiros passos para evitar problemas maiores.

O ideal é que o dinheiro da viagem seja reservado para esse fim e não comprometa seu orçamento do dia a dia. Além disso, é essencial que ele seja compatível com a distância e o período longe de casa. Se o dinheiro estiver curto, é melhor optar por destinos mais próximos ou por estadias menores e com isso aproveitar a viagem com mais conforto e tranquilidade.

Por fim, cuidado com as dívidas: ainda que seja possível parcelar a perder de vista muito dos custos da viagem, calcule com cuidado de que forma isso impactará no seu orçamento. Tudo deve ser compatível com sua capacidade de pagamento.

Sem esse cuidado, os boletos que continuarão a chegar depois do regresso se transformarão em uma enorme dor de cabeça e, talvez, em uma indesejada lembrança da viagem. Em muitos casos, é mais vantajoso organizar as contas para permitir economizar a quantia necessária para fazer a viagem, sem recorrer a empréstimos ou parcelamentos.

Escolha o destino e a duração da viagem

Com o orçamento calculado e definido, fica mais fácil decidir um aspecto essencial de qualquer viagem: para onde ela será feita e qual será o período. Por mais que o seu desejo envolve uma série de opções, é fundamental limitá-las de acordo com o tamanho do seu bolso.

Quem já tem um destino em mente e conta com datas flexíveis, pode avaliar a possibilidade de embarcar em datas em que o fluxo de turistas é menor, o que pode gerar alguma economia. No sentido oposto, datas limitadas para quem não tem um destino ainda decidido por ser uma alternativa para explorar novas regiões ou locais que não são tão procurados.

Por fim, quem está com o destino em aberto e tem datas flexíveis pode se valer falar da pesquisa cuidadosa na busca por passagens, hospedagem e passeios mais em conta, seja por conta de promoções, seja devido a baixa procura em determinados períodos.

Em relação à duração, além do orçamento, vale considerar o tempo de deslocamento, o volume de atrações turísticas disponíveis e o tempo indicado para conhecer os principais pontos turísticos do destino.

Reserve as passagens

Para quem vai viajar por via aérea, o planejamento na aquisição das passagens faz toda a diferença: procurando os bilhetes com antecedência é possível economizar e encontrar uma variedade maior.

A recomendação principal é pesquisar com cuidado e calma. Sites e aplicativos costumam agregar a cotação do preço das passagens para determinados destinos e notificar o viajante a respeito dos melhores preços.

Nunca se esqueça de observar o período entre as conexões, quando houver, as limitações de bagagem e a possibilidade de utilizar milhas para economizar na aquisição das passagens.

Pesquise pelos documentos exigidos

Essa recomendação diz respeito principalmente para destinos no exterior. Além de ter um passaporte válido em mãos, confira se o seu destino exige dos turistas vistos de permanência. Quando isso acontecer, procure pelos trâmites necessários para solicitá-lo e faça isso o quanto antes. Se for o caso, privilegia locais em que não há essa obrigação.

Outro cuidado envolve a necessidade de certificados de vacinação. A pandemia de covid-19 fez vários países levantaram várias barreiras para resguardar suas populações. Hoje a maioria delas foi atenuada ou suspensa, mas nunca é demais conferir se suas doses estão em dia. Isso vale também para outras doenças: em alguns locais, é preciso comprovar o status vacinal contra a febre amarela, por exemplo.

Procure por hospedagens, alimentação e passeios

Junto com as passagens, já procure pelas reservas de hospedagem. Hotéis costumam ser a primeira opção, mas com o avanço da economia compartilhada cresce a opção de locações por curtíssimos períodos de casas e apartamentos. Para turistas super econômicos, hostels e albergues podem ser opções.

Além disso, nesse planejamento veja os locais em que você fará suas refeições principais e procure estimar os custos com essa despesa. No mais, não esqueça que alguns passeios (como museus e parques, por exemplo) podem exigir a compra antecipada dos ingressos.

Entenda as formas de pagamento aceitas no destino

Esse é outro quesito que provavelmente não será problema em viagens nacionais. Contudo, quando for para fora do país, é preciso conferir como cartões e cédulas são aceitas no destino.

É comum que alguns países concentrem as transações em cédulas, por exemplo. Outros têm a economia dolarizada, mesmo não tendo o dólar como moeda oficial. Com isso, é preciso entender essa dinâmica e fazer a troca do dinheiro com o planejamento necessário, principalmente para fugir das oscilações da cotação.

Em relações aos cartões, vale fica de olho em taxas e impostos cobrados, principalmente de cartões com bandeira internacional. Nesse contexto, cartões pré-pago podem ser uma opção interessante, que também reduz a necessidade de carregar dinheiro vivo.

Organize a mala de acordo com o clima

Além de restrições em relação ao peso da bagagem e de eventuais particularidades culturais do país a ser visitado, a mala deve levar em consideração o clima do destino. Com uma pesquisa cuidadosa, você poderá definir se é necessário colocar um casaco mais pesado na mala ou roupas para colocar o pé na areia, por exemplo.

Considere também a organização da mala e os itens escolhidos para otimizar o espaço disponível. Na maior parte dos casos, vale priorizar peças confortáveis e versáteis. Quem faz uso de medicamentos precisa consultar as regras de transporte e ingresso no país com o fármaco necessário. Dependendo da situação, pode ser necessário carregar um atestado médico com a indicação da prescrição.

4. Por que é importante contar com um seguro viagem?

Se você é um leitor atento ou já tem alguma experiência com viagens, viu que no passo a passo do capítulo não mencionamos a necessidade e a importância de contratar um seguro viagem antes de fazer as malas.

Mas não é porque esquecemos: este item contribui de forma tão significativa com a segurança e a tranquilidade do turista que resolve separar um capítulo só para reforçar isso.

Não custa lembrar: o seguro viagem é uma assistência contratada previamente que garante ao turista o suporte e a assistência diante de uma série de incidentes, que vão desde problema de saúde até o auxílio em caso de extravio de bagagens, cancelamento de voos ou pendências jurídicas. As proteções e serviços disponíveis variam de acordo com a cobertura escolhida no momento da contratação.

A importância do seguro não diz respeito apenas às coberturas e assistências oferecidas, que geram tranquilidade e economia para o viajante. Em alguns casos, o seguro é obrigatório para o ingresso em determinados países. É o que acontece, por exemplo, em parte da União Europeia.

A dinâmica de funcionamento costuma ser simples: a partir do momento em que ele é contratado, a apólice prevê o período e a região de cobertura. No momento em que a viagem começa, a cobertura começa a vigorar e em caso de algum incidente em que haja previsão de cobertura, o viajante pode acionar a seguradora para conta com a assistência contratada.

As coberturas mais comuns em praticamente todos os seguros viagens dizem respeito ao pagamento ou reembolso de eventuais despesas médicas, hospitalares ou odontológicas, dentro do valor segurado em situações de emergência ou urgência, de natureza súbita ou em consequência de acidentes.

Dentro da preocupação com o bem-estar do viajante, os seguros podem incluir a cobertura do chamado regresso sanitário, garantindo o suporte para o retorno do país de origem quando isso não for possível por meios normais devido às condições de saúde do turista. No mais, a apólice pode estipular indenizações por morte ou invalidez, paga aos beneficiários indicados ou ao próprio segurado.

Entre os serviços de assistência o mais requisitado costuma ser a cobertura que oferece suporte em caso de extravio ou dano à bagagem, indenizando ou repondo os itens perdidos.

Ao mesmo tempo, considere o que não está incluído nas coberturas. É o caso de consultas de rotina ou danos a itens valiosos, por exemplo. Esses gastos não costumam ser reembolsados ou indenizados, então é necessário ter atenção redobrada nesses casos.

Em todo caso, contar com uma empresa de segurança por trás do seu seguro faz toda a diferença. Por isso, opte por quem oferece soluções capazes de garantir a confiança que você precisa: esse é o caso da Alper, que oferece a melhor proteção do começo ao fim da sua viagem. Todo o processo de cotação pode ser feito online, com a agilidade e a comodidade necessária para uma jornada inesquecível.

5. Conclusão

Com esse e-book, tentamos mostrar que por mais trabalhoso que seja organizar uma viagem, manter um planejamento cuidadoso de todas as etapas faz com que seja possível manter tudo em ordem, permitindo que cada momento seja aproveitado por inteiro, gerando lembranças que certamente serão levadas por toda a vida.

Em todo o caso, mesmo quando não é obrigatório, o seguro viagem é parte indispensável desse planejamento, como também foi mostrado. Por isso, não faça as malas sem antes fazer a contratação da proteção que atende suas necessidades e embarque mais tranquilo sempre.

Assine nossa Newsletter!

Notícias do setor e as últimas novidades da Alper Seguros em primeira mão para você: